segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Juventude da Paróquia em solidariedade


Juventude da Paróquia marca presença no "Folia com Cristo". Porém, o evento foi adiado em virtude da tragédia ocorrida na cidade de Santa Maria, no estado do Rio Grande do Sul. O que antes seria um momento de festa, se transformou em uma demonstração concreta de solidariedade aos que sofrem a dor da perda de seus entes queridos.

“Creio que no dia de hoje, em que o Brasil e o mundo acompanham a tragédia que marca e machuca tantas pessoas, somos chamados aqui a mostrar que os jovens sabem ser solidários porque escutam a palavra de Deus, seguem Cristo Jesus que vem trazer vidas para todos”, disse Dom Orani, na celebração que aconteceu na Catedral de São Sebastião.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Mensagem do Papa: Dia Mundial das Comunicações Sociais

Dia Mundial das Comunicações Sociais
Quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Redes Sociais: portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização

Amados irmãos e irmãs,


Encontrando-se próximo o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2013, desejo oferecer-vos algumas reflexões sobre uma realidade cada vez mais importante que diz respeito à maneira como as pessoas comunicam atualmente entre si; concretamente quero deter-me a considerar o desenvolvimento das redes sociais digitais que estão a contribuir para a aparição de uma nova ágora, de uma praça pública e aberta onde as pessoas partilham ideias, informações, opiniões e podem ainda ganhar vida novas relações e formas de comunidade.

Estes espaços, quando bem e equilibradamente valorizados, contribuem para favorecer formas de diálogo e debate que, se realizadas com respeito e cuidado pela privacidade, com responsabilidade e empenho pela verdade, podem reforçar os laços de unidade entre as pessoas e promover eficazmente a harmonia da família humana. A troca de informações pode transformar-se numa verdadeira comunicação, os contatos podem amadurecer em amizade, as conexões podem facilitar a comunhão. Se as redes sociais são chamadas a concretizar este grande potencial, as pessoas que nelas participam devem esforçar-se por serem autênticas, porque nestes espaços não se partilham apenas ideias e informações, mas em última instância a pessoa comunica-se a si mesma.

O desenvolvimento das redes sociais requer dedicação: as pessoas envolvem-se nelas para construir relações e encontrar amizade, buscar respostas para as suas questões, divertir-se, mas também para ser estimuladas intelectualmente e partilhar competências e conhecimentos. Assim as redes sociais tornam-se cada vez mais parte do próprio tecido da sociedade enquanto unem as pessoas na base destas necessidades fundamentais. Por isso, as redes sociais são alimentadas por aspirações radicadas no coração do homem.

A cultura das redes sociais e as mudanças nas formas e estilos da comunicação colocam sérios desafios àqueles que querem falar de verdades e valores. Muitas vezes, como acontece também com outros meios de comunicação social, o significado e a eficácia das diferentes formas de expressão parecem determinados mais pela sua popularidade do que pela sua importância intrínseca e validade. E frequentemente a popularidade está mais ligada com a celebridade ou com estratégias de persuasão do que com a lógica da argumentação. Às vezes, a voz discreta da razão pode ser abafada pelo rumor de excessivas informações, e não consegue atrair a atenção que, ao contrário, é dada a quantos se expressam de forma mais persuasiva.

Por conseguinte os meios de comunicação social precisam do compromisso de todos aqueles que estão cientes do valor do diálogo, do debate fundamentado, da argumentação lógica; precisam de pessoas que procurem cultivar formas de discurso e expressão que façam apelo às aspirações mais nobres de quem está envolvido no processo de comunicação. Tal diálogo e debate podem florescer e crescer mesmo quando se conversa e toma a sério aqueles que têm ideias diferentes das nossas. "Constatada a diversidade cultural, é preciso fazer com que as pessoas não só aceitem a existência da cultura do outro, mas aspirem também a receber um enriquecimento da mesma e a dar-lhe aquilo que se possui de bem, de verdade e de beleza" (Discurso no Encontro com o mundo da cultura, Belém, Lisboa, 12 de Maio de 2010).

O desafio que as redes sociais têm que enfrentar é o de serem verdadeiramente abrangentes: então beneficiarão da plena participação dos fiéis que desejam partilhar a Mensagem de Jesus e os valores da dignidade humana que a sua doutrina promove. Na realidade, os fiéis dão-se conta cada vez mais de que, se a Boa Nova não for dada a conhecer também no ambiente digital, poderá ficar fora do alcance da experiência de muitos que consideram importante este espaço existencial.

O ambiente digital não é um mundo paralelo ou puramente virtual, mas faz parte da realidade cotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens. As redes sociais são o fruto da interacção humana, mas, por sua vez, dão formas novas às dinâmicas da comunicação que cria relações: por isso uma solícita compreensão por este ambiente é o pré-requisito para uma presença significativa dentro do mesmo.

A capacidade de utilizar as novas linguagens requer-se não tanto para estar em sintonia com os tempos, como sobretudo para permitir que a riqueza infinita do Evangelho encontre formas de expressão que sejam capazes de alcançar a mente e o coração de todos. No ambiente digital, a palavra escrita aparece muitas vezes acompanhada por imagens e sons. Uma comunicação eficaz, como as parábolas de Jesus, necessita do envolvimento da imaginação e da sensibilidade afetiva daqueles que queremos convidar para um encontro com o mistério do amor de Deus. Aliás sabemos que a tradição cristã sempre foi rica de sinais e símbolos: penso, por exemplo, na cruz, nos ícones, nas imagens da Virgem Maria, no presépio, nos vitrais e nos quadros das igrejas. Uma parte consistente do patrimônio artístico da humanidade foi realizado por artistas e músicos que procuraram exprimir as verdades da fé.

A autenticidade dos fiéis, nas redes sociais, é posta em evidência pela partilha da fonte profunda da sua esperança e da sua alegria: a fé em Deus, rico de misericórdia e amor, revelado em Jesus Cristo. Tal partilha consiste não apenas na expressão de fé explícita, mas também no testemunho, isto é, no modo como se comunicam "escolhas, preferências, juízos que sejam profundamente coerentes com o Evangelho, mesmo quando não se fala explicitamente dele" (Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais de 2011).

Um modo particularmente significativo de dar testemunho é a vontade de se doar a si mesmo aos outros através da disponibilidade para se deixar envolver, pacientemente e com respeito, nas suas questões e nas suas dúvidas, no caminho de busca da verdade e do sentido da existência humana. A aparição nas redes sociais do diálogo acerca da fé e do acreditar confirma a importância e a relevância da religião no debate público e social.

Para aqueles que acolheram de coração aberto o dom da fé, a resposta mais radical às questões do homem sobre o amor, a verdade e o sentido da vida – questões estas que não estão de modo algum ausentes das redes sociais – encontra-se na pessoa de Jesus Cristo. É natural que a pessoa que possui a fé deseje, com respeito e tato, partilhá-la com aqueles que encontra no ambiente digital. Entretanto, se a nossa partilha do Evangelho é capaz de dar bons frutos, fá-lo em última análise pela força que a própria Palavra de Deus tem de tocar os corações, e não tanto por qualquer esforço nosso. A confiança no poder da ação de Deus deve ser sempre superior a toda e qualquer segurança que possamos colocar na utilização dos recursos humanos.

Mesmo no ambiente digital, onde é fácil que se ergam vozes de tons demasiado acesos e conflituosos e onde, por vezes, há o risco de que o sensacionalismo prevaleça, somos chamados a um cuidadoso discernimento. A propósito, recordemo-nos de que Elias reconheceu a voz de Deus não no vento impetuoso e forte, nem no tremor de terra ou no fogo, mas no "murmúrio de uma brisa suave" (1 Rs 19, 11-12). Devemos confiar no fato de que os anseios fundamentais que a pessoa humana tem de amar e ser amada, de encontrar um significado e verdade que o próprio Deus colocou no coração do ser humano, permanecem também nos homens e mulheres do nosso tempo abertos, sempre e em todo o caso, para aquilo que o Beato Cardeal Newman chamava a "luz gentil" da fé.

As redes sociais, para além de instrumento de evangelização, podem ser um fator de desenvolvimento humano. Por exemplo, em alguns contextos geográficos e culturais onde os cristãos se sentem isolados, as redes sociais podem reforçar o sentido da sua unidade efetiva com a comunidade universal dos fiéis. As redes facilitam a partilha dos recursos espirituais e litúrgicos, tornando as pessoas capazes de rezar com um revigorado sentido de proximidade àqueles que professam a sua fé. O envolvimento autêntico e interativo com as questões e as dúvidas daqueles que estão longe da fé, deve-nos fazer sentir a necessidade de alimentar, através da oração e da reflexão, a nossa fé na presença de Deus e também a nossa caridade operante: "«Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine" (1 Cor 13, 1).

Fonte:
http://arqrio.org/noticias/detalhes/34/mensagem-do-papa-dia-mundial-das-comunicacoes-sociais

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Origens da Campanha da Fraternidade

Tema: Campanha da Fraternidade - 1964
Lema: Lembre-se: você também é Igreja
A história da Campanha da Fraternidade teve origem alguns anos antes do início do Concílio Ecumênico Vaticano II, quando um pequeno grupo de padres recém-ordenados, sob a coordenação de Dom Eugenio Sales, reunia-se em Natal, cada mês, para rezar e refletir sobre a Igreja e a Pastoral. Daí surgiram várias iniciativas postas em prática, com sucesso. Algumas vieram a ter dimensão nacional. Dentre elas estão o primeiro Regional da CNBB, que abrangia as dioceses da área territorial que ia do Maranhão à Bahia; o primeiro planejamento pastoral, colocando a técnica a serviço do Reino de Deus; a organização sistemática dos trabalhadores em sindicatos rurais, reconhecidos pelo Governo. E, logo a seguir, a primeira Federação dos Trabalhadores Rurais no Rio Grande do Norte; paróquias confiadas a religiosas; as escolas radiofônicas e outras iniciativas, sem esquecer a Campanha da Fraternidade, posteriormente assumida em nível nacional pela CNBB no ano de 1964.

No Nordeste semi-árido, pobre, mas confiante em Deus, nasceram estas atividades fecundas, fruto do Evangelho posto em prática. A Arquidiocese de Natal havia recebido alguma ajuda, de modo particular da Igreja da Alemanha, que mal saíra da catástrofe da 2ª Guerra Mundial. Muitos outros projetos de ajuda financeira eram encaminhados a outras nações, mas, particularmente, à “Aktion Misereor”, do Episcopado Alemão.

Alguns dirigentes do Serviço de Assistência Rural (SAR) julgaram ser importante criar, entre católicos, uma mentalidade de cooperação local com as obras pastorais e sociais da Igreja, dando, assim, maior credibilidade aos pedidos feitos ao estrangeiro. Ao chegarem respostas favoráveis dos católicos, o grupo de sacerdotes e leigos julgou que, de sua parte, deveria fazer algo para que se pudesse solicitar colaboração aos irmãos na Fé.

Dom Heitor de Araujo Sales, então sacerdote potiguar, estudando na Europa e passando as férias na Alemanha, trouxe todo o material da estrutura da “Misereor” e a divulgação de suas campanhas. Na sede do Movimento de Natal, os subsídios vindos da Europa foram traduzidos e adaptados à realidade brasileira. Um grupo estudou o assunto, escolheu o nome que vigora até hoje - Campanha da Fraternidade -, organizou da melhor maneira a Campanha com essa dupla finalidade: evangelizadora e social.

Foi na cidade de Nísia Floresta que surgiu o embrião da Campanha da Fraternidade. Caminhadas à pé, de casa em casa, de rua em rua, de povoado em povoado. Quase paralelamente às marchas, foram criadas as Semanas da Fraternidade. Eram doados ovos, galinhas, hortaliças frutas e o resultado comercializado numa feira cuja renda tinha como finalidade a compra de colchões, redes, dentre outras coisas, para as famílias pobres espalhadas em treze comunidades ligadas ao município.

A experiência das Irmãs Vigárias nesta cidade e das marchas foi implantada depois em São Gonçalo do Amarante e Taipu. Tudo com o apoio da Santa Sé, como sempre trabalhou Dom Eugenio Sales, e com a ajuda dos leigos.

A primeira Campanha da Fraternidade ficou restrita à Arquidiocese de Natal, em 1962. A coleta rendeu um milhão de cruzeiros importância que corresponde, hoje, em torno de R$ 47.700,00. A segunda, na Quaresma de 1963, abrangeu 25 dioceses do Nordeste. O aviso da Cúria nº 5/1963, sobre o assunto na Arquidiocese de Natal, trazia elementos valiosos: “Em todas as matrizes, igrejas, capelas, escolas e também no comércio, far-se-á uma grande coleta em favor das obras apostólicas e sociais da Arquidiocese”. Referia-se ao costume, iniciado nos Estados Unidos e países europeus, de designar um dia para angariar donativos destinados à Igreja e ao mundo subdesenvolvido. E continuava: “Entre nós, iniciamos no ano passado essa Campanha, que encontrou muita receptividade em nossas comunidades paroquiais. Ela é feita neste tempo para significar o sacrifício de toda a comunidade diocesana na Quaresma, em favor de seus irmãos”. Assina-o, o Vigário Geral. O Secretário da Cúria dá outras indicações e providências em documento também publicado no jornal diocesano, "A Ordem", de 9 de março de 1963.

Fonte: http://arqrio.org/noticias/detalhes/6/campanha-da-fraternidade-completara-50-anos-em-2013

sábado, 19 de janeiro de 2013

Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa é comemorado no Rio

O Centro Cultural da Justiça Federal, no Rio de Janeiro, abre as portas para uma série de debates sobre a Intolerância Religiosa, no próximo dia 21. A partir das 9h30min, serão abordados temas relacionando à Intolerância religiosa ao Meio Ambiente e à Educação, além de sugerir formas de combate, apresentando os parâmetros para o Plano Nacional de Combate à Intolerância Religiosa.

Também no dia 21, a partir das 9h, a Praça da Cinelândia vai testemunhar um encontro histórico, cultural e religioso. Tendas de diferentes credos religiosos irão participar do evento e da celebração, que vai contar com a apresentação de grupos culturais e artísticos. Padre Jorjão e Padre Omar irão representar a fé católica, e acontecerá ainda o Seminário Caminhos para a Liberdade Religiosa.

O Centro Cultural da Justiça Federal fica na Avenida Rio Branco, 241, Cinelândia.

Fonte: http://www.arquidiocese.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

ORGULHO PARA NOSSA COMUNIDADE

No dia 08 de dezembro foi ordenação diaconal do querido Anderson Batista Monteiro. A celebração foi na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, presidida pelo Arcebispo Dom Orani JoãoTempesta.

Muitas pessoas da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro estiveram presentes e puderam participar, junto com Anderson e seus familiares, de mais um importante passo em direção à vida sacerdotal. 

Para aqueles que não tiveram essa oportunidade, deixamos aqui o belíssimo vídeo com os melhores momentos, para que todos possam sentir um pouco essa emoção.

Vídeo postado por Eduardo Borgerth




sábado, 12 de janeiro de 2013

Cristão que estuda e que lê

Quem sabe ler não precisa ser doutor, mas precisa ser leitor. É tanto o que não sabemos e precisamos saber que, se não nos habituamos a buscar mais informação e reflexão com os que estudaram mais do que nós, continuaremos consumidores dos resumos que a mídia nos oferece. Quem não lê livros e documentos depende dos resumos e dos comentários de outros, mas dificilmente terá um pensamento próprio. O livro faz isso: estimula a pensar. Há uma enorme diferença entre ter assistido o Sítio do Picapau Amarelo e ter lido aqueles episódios. Uma coisa é ouvir trechos da Bíblia e outro é ler pessoalmente, dia após dia, a sabedoria daqueles 2 mil anos de mensagens do céu e da terra. Melhor ainda, se lemos algum livro que nos coloque a par do porquê e do quando daqueles livros.
Gosto da Campanha da Fraternidade porque sacode os católicos na quaresma para que assumam alguma atividade de pensamento e de ação. Vejo os resultados durante todo o ano, quando a CF é bem difundida numa paróquia. A CNBB foi outra vez feliz ao escolher o tema SAÚDE, para que os católicos do país reajam ante o sucateamento e encarecimento da saúde no Brasil. A comercialização não leva nunca à solidariedade. Quando o lucro vem em primeiro é sinal de que o enfermo fica em segundo ou terceiro e, às vezes, último.
Mas penso no dia em que a CNBB proponha o tema ESTUDAR E LER. Num país cada dia mais dependente da televisão e da internet, dos resumos oferecidos por editores de revistas, jornais e programas de rádio e televisão, convém formar o católico para que vá á fonte e leia os documentos, os livros e se inteire do que realmente foi dito e escrito. Disse-o há dez anos atrás e digo sempre: Não temos que ser doutores, mas fomos alfabetizados, temos que ser leitores.
Num país onde a maioria mal consegue ler um livro por ano, uma CF que motive os mais de 130 milhões de católicos a ler livros e conhecer o que sua Igreja realmente disse nos seus catecismos e nos seus documentos pode fazer a diferença.
Nosso povo ainda lê pouco. Os católicos ainda leem pouco. Pregadores da fé nas mais diversas igrejas costumam ler pouco. Venhamos e convenhamos, um livro por ano é quase nada. Seriamos um país mais pensante se cada brasileiro lesse pelo menos dez livros por ano. A Igreja pode e, a meu ver, deve caminhar nesta direção. O Brasil precisa ler mais!




Fonte: http://www.padrezezinhoscj.com/wallwp/artigos_padre_zezinho/2738-2/cristao-que-estuda-e-que-le

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Voluntários da JMJ Rio2013 têm encontro marcado na Canção Nova

De 15 a 17 de fevereiro, será realizado o "Acampamento JMJ Rio2013 Voluntários" na Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP). Todos os voluntários que irão trabalhar na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) deste ano são chamados a participar.

O encontro pretende formar os voluntários, esclarecer suas dúvidas e promover um momento de integração. O acampamento é aberto a todo Brasil e também a outros países.

O tema do encontro, “Eis me aqui, envia-me!”, não foi escolhido aleatoriamente. Além de ser tema da Campanha da Fraternidade 2013, ele faz referência ao lema da JMJ Rio2013: “Ide e fazei discípulos entre todas as nações”.

Segundo o responsável pelo setor do voluntariado, Padre Ramon Nascimento, um dos palestrantes do encontro, esse é um convite que se estende a todos, não só aos voluntários da Jornada.

Na programação do Acampamento, estão incluídos momentos de pregação, celebração da Santa Missa e adoração. O Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta e seu Bispo Auxiliar, Dom Antônio Augusto, já confirmaram presença no evento. A animação será feita pela Banda Bom Pastor e pelos cantores Leandro Sousa e Olívia Ferreira.

Programação - sujeita à alteração sem aviso prévio

Sexta-feira, 15/02
Cânticos: Banda Bom Pastor
20h - Santa Missa: Dom Antônio Augusto
22h - Encerramento

Sábado, 16/02
08h - Cânticos: Olívia Ferreira
08h20 - Oração da Manhã
09h15 - Pregação: Padre Ramon - “ Restaurados para restaurar”
10h25 - Promoção de palco
10h30 - Intervalo
11h - Cânticos: Olívia Ferreira
11h15 - Pregação: Moysés (Com. Shalom) - “Aprendei de mim (Discipulado)”
12h25 - Promoção de palco
12h30 - Intervalo
14h - Cânticos: Leandro Sousa
14h20 - Pregação: - Padre Paulo Ricardo “Missão (Envio dos 72 discípulos)”
15h25 - Promoção de palco
15h30 - Intervalo
16h - Santa Missa: Padre Ramon
18h - Encerramento
21h - Adoração: Padre Ramon e Equipe
23h - Encerramento

Domingo, 17/02
08h - Cânticos: Emanuel CN
08h20 - Adoração: Padre Arlon CN
09h15 - Pregação: Adriano Gonçalves CN - "Uma Juventude nova para uma mudança de época"
10h25 - Promoção de palco
10h30 - Intervalo
11h - Cânticos:
11h15 - Pregação: Dunga CN - "CF da Juventude - Importância e desafios"
12h25 - Promoção de palco
12h30 - Intervalo
Cânticos: Dunga e Emanuel CN
15h - Santa Missa: Dom Orani
17h – Encerramento

Mais informações pelo telefone (12) 3186-2000.

Fonte: http://www.arquidiocese.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Doações coletadas pela Paróquia são entregues em Xerém.

A Paróquia agradece todas as contribuições entregues no "movimento relâmpago" de arrecadação de doações para os desabrigados em Xerém e nosso bairro. 

Durante todo o sábado e domingo na parte da manhã a igreja esteve de portas abertas para receber tais contribuições. No domingo à tarde, foi arrumado um carro para entregar diretamente em Xerém. 

Segue abaixo as fotos da entrega, tiradas pelo celular de Rafael Ferreira, um dos jovens que auxiliou na entrega e cedeu gentilmente as fotos. 


Carlinhos, quem dirigiu o carro,
Rosane, Rafael, Erick e
Padre Eugênio acompanhando o trabalho da equipe
ao arrumar o carro para entrega

Erick Soares um dos jovens que auxiliaram na arrecadação


Parte das doações ainda na Paróquia

Rosane Ribeiro, da equipe da JMJ e do grupo jovem,
que esteve recebendo as contribuições
durante todos os dias de arrecadamento


Doações após retiradas do carro


Rafael Ferreira, outro jovem que auxiliou na arrecadação

Já sendo entregues no local

Doações recolhidas no posto de gasolina, durante o caminho,
após uma senhora do posto descobrir que
estavam indo entregar doações em Xerém.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Campanha da fraternidade 2013

Conciliando com a Jornada Mundial da Juventude, neste ano de 2013, a Campanha da fraternidade pede mais envolvimento dos jovens do que nunca!

No dia 13 de fevereiro, Quarta-feira de Cinzas, será lançada mais uma edição da Campanha da Fraternidade. O tema será “Fraternidade e Juventude” e o lema “Eis-me aqui, envia-me Senhor”, que tem como tem como objetivo ter mais um elemento além da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) para fortalecer o desejo de evangelização dos jovens.

De acordo com o presidente da Comissão para Juventude da CNBB, Dom Eduardo Pinheiro, uma das metas principais da CF 2013 é olhar a realidade juvenil, compreender a riqueza de suas diversidades, potencialidades e propostas, como também os desafios que provocam atitudes e auxílios aos jovens e aos adultos.

O objetivo geral da Campanha é acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na vivência eclesial e na construção de uma sociedade fraterna, fundamentada na cultura da vida, da justiça e da paz.

“Dentro do sentido da palavra 'acolher' está o valorizar, o respeitar o jovem que vive nesta situação de mudança de época e isso não pode ser esquecido”, destacou o presidente da Comissão para Juventude da CNBB.

A Paz do Senhor!



Oração oficial da CF 2013
Tema: Fraternidade e Juventude
Lema: "Eis-me aqui, envia-me" (Is 6,8)
Pai santo, vosso Filho Jesus,
conduzido pelo Espírito
e obediente à vossa vontade,
aceitou a cruz como prova de amor à humanidade.

Convertei-nos e, nos desafios deste mundo,
tornai-nos missionários
a serviço da juventude.

Para anunciar o Evangelho como projeto de vida,
enviai-nos, Senhor;
para ser presença geradora de fraternidade,
enviai-nos, Senhor;
para ser profetas em tempo de mudança,
enviai-nos, Senhor;
para promover a sociedade da não violência,
enviai-nos, Senhor;
para salvar a quem perdeu a esperança,
enviai-nos, Senhor;
para...


Fontes: http://www.portalkairos.net/campanhadafraternidade/2013/campanhadafraternidade2013_oracao.asp#ixzz2HV6qaz5O


http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=288301

http://www.portalkairos.net/campanhadafraternidade/






domingo, 6 de janeiro de 2013

Programação Trezena de São Sebastião


Programação

1º dia – 7 de Janeiro – segunda-feira
8h30 – Visita ao Instituto Nacional do Câncer (Inca)
10h30 – Visita ao Hospital Souza Aguiar
12h – Ângelus na Paróquia São Sebastião, Tijuca
18h – Missa na Paróquia São Sebastião, Tijuca

2º dia – 8 de Janeiro – terça-feira
8h45 – Visita ao Hospital Federal de Bonsucesso
10h30 – Visita ao Instituto de Pediatria do Hospital do Fundão
11h50 – Chegada na Igreja Nossa Senhora do Loreto, Ilha do Governador
14h30 – Visita à Capela São Sebastião e São Pedro, Ilha do Governador
15h – Visita à Escola João Luiz Alves (Degase), no Galeão, Ilha do Governador
15h30 – Visita à Escola Santos Dumont (Degase), Ilha do Governador
15h50 – Visita ao Centro de Socioeducação Dom Bosco (Degase)
16h – Visita à Casa Gerontológica Brigadeiro Eduardo Gomes
16h50 – Visita ao Hospital da Força Aérea do Galeão (HFAG)
17h30 – Homenagem da escola de samba União da Ilha
18h – Oração no Cemitério do Cacuia, Ilha do Governador
18h15 – Oração no Hospital Paulino Werneck, Ilha do Governador
18h35 – Chegada na Matriz de São Sebastião, no Cocotá, Ilha do Governador
19h – Missa na Matriz de São Sebastião, no Cocotá, Ilha do Governador

3º dia – 9 de Janeiro – quarta-feira
8h30 – Deslocamento marítimo, na Praia do Flamengo, para homenagem aos portugueses, índios e franceses mortos na Guerra das Canoas
10h – Visita à sede da Polícia Federal, Centro
11h30 – Visita à sede da Polícia Civil, Centro
14h30 – Visita ao QG da Pmerj, Centro
16h – Visita à sede da Secretaria de Segurança, Centro
17h30 – Visita ao Carmelo de Santa Teresa e vigília

4º dia – 10 de Janeiro – quinta-feira
7h – Missa no Carmelo de Santa Teresa
8h45 – Visita ao Hospital da Ordem Terceira do Carmo
10h30 – Visita à Rádio Tupi, Saúde
13h – Almoço no Edifício João Paulo II, Glória
15h45 – Visita à sede do Governo do Estado, Laranjeiras

5º dia – 11 de Janeiro – sexta-feira
8h15 – Visita ao Hospital Marcílio Dias, no Lins de Vasconcelos (Marinha)
11h – Visita ao Sistema Globo de Rádio, Glória
15h – Visita ao jornal “O Dia”, Centro
16h45 – Visita à Vila Mimosa, Praça da Bandeira
22h30 – Dia mensal da Vigília dos Jovens Adoradores, na Catedral, com participação de cantores católicos
Essa sairá, às 7h de sábado, da Catedral para a Vila Militar, Deodoro

6º dia – 12 de Janeiro – sábado
9h – Missa Rio Celebra na Paróquia São Sebastião, situada à Av. Duque de Caxias, 760, Vila Militar, Deodoro. A partir das 10h20: sequência dos locais a serem visitados, com horários estimados de chegada em cada um
10h40 – Paróquia São Sebastião e Santa Cecília, na Praça da Fé, Bangu
11h15 – Capela de São Sebastião, na Travessa Campos, 510, lote 12, Santíssimo
11h55 – Capela São Sebastião, localizada à Rua do Papagaio, 23, Inhoaíba
12h25 – Capela São Sebastião, na Rua Pedro Pinto, 9, na Vila Geni, Paciência
12h55 – Capela São Sebastião e Nossa Senhora das Dores, que fica na Trav. Trancredo Neves, 9, no Barro Vermelho, Santa Cruz
13h35 – Capela São Sebastião e Nossa Senhora das Graças, na Rua Projetada Isabel, 28, no Bairro Alexandrino, Santa Cruz
14h15 – Capela São Sebastião, que fica na Rua Projetada, s/n, Santa Cruz
15h55 – Capela São Sebastião, na Estrada de Sepetiba, quadra 18, lote 1, em Nova Sepetiba, Sepetiba
15h35 – Paróquia São Pedro Apóstolo (Capela São Sebastião), que fica na Rua Belchior da Fonseca, 301, Pedra de Guaratiba
17h – Capela São Sebastião, localizada à Rua Uiraponga, 3710, no Jardim Maravilha, Guaratiba
17h20 – Oração no local onde será celebrada a vigília da JMJ Rio2013, em Guaratiba
17h40 – Capela Sant’Ana e São Sebastião, no Largo da Ilha de Guaratiba, 9455, na Ilha de Guaratiba, Guaratiba
18h20 – Capela Nossa Senhora Aparecida, situada à Estrada do Mato Alto, 5027, Guaratiba
18h55 – Capela São Sebastião, na Rua Joaquim Ribeiro, 21, em Cantagalo, Guaratiba
19h25 – Capela São Sebastião, que fica na Rua Mangueiral, 52, Campo Grande, próxima ao Ginásio Miécimo da Silva
20h05 – Capela São Sebastião, situada à Rua da Cooperativa, lotes 25 e 27, Conjunto Sociólogo Bentinho, em Vila Kennedy
21h15 – Paróquia de Sant’Ana, na Praça 11, e vigília

7º dia – 13 de Janeiro – domingo
8h – Missa na TV Brasil
10h – Visita à Paróquia Santos Anjos e à Cruzada São Sebastião, no Leblon
12h – Missa na Paróquia da Ressurreição, em Copacabana, e almoço
14h – Visita às comunidades do Pavãozinho, Pavão e Cantagalo
18h – Ângelus no Corcovado e oração em memória das vítimas das chuvas em 2011, na Região Serrana do estado do Rio de Janeiro
19h30 – Homenagem da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) na Cidade do Samba, Gamboa

8º dia – 14 de Janeiro – segunda-feira
8h – Visita ao presídio de jovens, em Bangu
9h15 – Visita à Casa de Recuperação Santa Maria Madalena, em Bangu
12h – Ângelus no Buraco do Lume, Centro
13h – Missa na Igreja Nossa Senhora do Parto, Centro
15h30 – Visita ao QG do Cbmerj, Centro

9º dia – 15 de Janeiro – terça-feira
8h – Visita ao Hospital Central do Exército, Benfica
10h – Visita à Santa Casa de Misericórdia, São Cristóvão
11h20 – Visitas à sede da Prefeitura e ao Centro de Operações
15h – Visita à Casa São Luiz para a Velhice, Caju
16h30 – Visita à Capela São Sebastião, Caju

10º dia – 16 de Janeiro – quarta-feira
8h – Missa no Asilo Recreio dos Anciãos, Tijuca
11h – Entrevista coletiva sobre Odetinha, com a imagem peregrina presente, no 6º andar do Edifício João Paulo II, Glória
16h – Visita à Capela São Sebastião, Nossa Senhora do Rosário e Sant’Ana, em Del Castilho
18h – Visita à Paróquia de São Sebastião, Bento Ribeiro

11º dia – 17 de Janeiro – quinta-feira
8h – Visita na Paróquia Jesus de Nazaré, no Complexo da Maré
10h – Visita à Paróquia Nossa Senhora da Cabeça, Penha
11h30 – Visita à Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, Jacarezinho. Missa ou Ângelus
15h – Terço no Santuário da Penha
16h30 – Visita à Paróquia São Sebastião, Olaria
18h – Capela da Trindade, da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, no alto do Morro do Alemão. Procissão de velas até a estação do Itararé. Missa

12º dia – 18 de Janeiro – sexta-feira
7h30 – Missa na visita ao Mosteiro de São Bento
10h – Chegada da imagem peregrina na Igreja Nossa Senhora da Glória, Largo do Machado
11h – Na Igreja Nossa Senhora da Glória: início da abertura do Processo da Serva de Deus, Odetinha
12h – Início do deslocamento da urna com os restos mortais de Odetinha para a Catedral, na Av. República do Chile, onde a imagem peregrina e as relíquias ficarão expostas
16h – Visita à Capela São Sebastião, Madureira
18h – Visita à Paróquia São Sebastião, Quintino

13º dia – 19 de Janeiro – sábado
9h – Missa Rio Celebra, na Capela de São Sebastião, no morro Chácara do Céu
10h20 – Capela São Sebastião, Morro do Borel, Tijuca
10h50 – Capela São Sebastião, situada à Rua Junquilhos, 180, Morro do Salgueiro, Tijuca
11h40 – Capela São Sebastião, na Rua Vaz de Toledo, 799, Cachambi
12h15 – Paróquia Imaculada Conceição e São Sebastião, que fica na Rua Catulo Cearense, 26, Engenho de Dentro
13h – Visita ao Bloco Cacique de Ramos, em Ramos
14h30 – Paróquia São Sebastião, localizada à Rua Parimá, 58, Parada de Lucas
15h45 – Capela São Sebastião, que fica à Estrada do Sertão, 563, Freguesia
16h40 – Capela São Sebastião, situada à Estrada do Boiúna, 255 – Lot. S. Sebastião, na Taquara, Jacarepaguá
19h – Missa de encerramento da novena da paróquia e da trezena da arquidiocese na Paróquia São Sebastião, localizada à Estrada dos Bandeirantes, 24264, Vargem Grande

Dia 20 de Janeiro – domingo
9h – Missa solene na Paróquia São Sebastião, da Tijuca, com transmissão da Redevida, Rádio Catedral e WebTV Redentor
16h – Saída de procissão da Paróquia São Sebastião, dos padres capuchinhos, na Tijuca, para a Catedral, com a urna de Odetinha
17h – Chegada na Catedral. Haverá apresentação do Auto de São Sebastião, seguido de bênção à cidade dada por Dom Orani. Logo após, no interior da Catedral, haverá missa presidida por Dom Orani
*Jornal Testemunho de Fé
*Fotos: Arquivo



Fonte: Site da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro

sábado, 5 de janeiro de 2013

Posto de coleta na Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Durante todo o dia de hoje, sábado, dia 05 de janeiro, e amanhã, dia 06, na parte da manhã, a Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, estará recebendo doações, para as vítimas das chuvas. 


Pede-se em especial, doações como itens de higiene (papel higiênico, pasta de dente, sabonete, escovas de dentes e etc), água, leite em pó, fraldas, biscoitos, alimentos não perecíveis e roupas. 




As doações serão entregues este domingo à tarde. Aqueles que desejarem entregar suas doações diretamente no local, a Catedral de Santo Antônio em Caxias é um dos pontos de coleta. 




Oremos por todas estas famílias que sofreram com o mau tempo.

Pesquisar